Fundo Sul: Rio Grande do Sul terá fundo orçamentário em prol do desenvolvimento?

Os estados da Região Sul do Brasil são os únicos que ainda não receberam o acesso aos recursos de fundos constitucionais ou royalties. 

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) seria o responsável por gerir o fundo para o desenvolvimento do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul

Na última semana, Eduardo Pinho Moreira, diretor financeiro do BRDE, se reuniu com o presidente da Fiesc, Mário Cezar Aguiar, para tratar sobre o Fundo Sul. 

A ideia dos executivos é retomar a questão e mobilizar entidades do meio para um grande movimento, articulando as estratégias junto da bancada parlamentar federal, governadores e setor produtivo da região.

Também estiveram presentes na reunião o secretário executivo do Codesul, Gustavo Salvador Pereira e o diretor jurídico da Fiesc, Carlos José Kurtz. 

Eduardo Moreira falou sobre a importância dos investimentos públicos para o desenvolvimento da região. “A região mais desenvolvida do Brasil também enfrenta grandes gargalos em infraestrutura que afetam o desenvolvimento. Além disso, temos um grande conjunto de municípios com elevadas taxas de pobreza, que formam uma área com acentuada desigualdade de renda. Portanto, investimentos públicos são necessários e devem ser realizados também em regiões com economias de aglomeração e não apenas em regiões subdesenvolvidas”, pontuou. 

Os estados do Sul são os únicos que ainda não puderam acessar os recursos dos fundos constitucionais ou royalties. Estes apresentam uma série de deficiências de infraestrutura que limitam o desenvolvimento da região, a comercialização de produtos e comprometem a competitividade.