Complexo Multiuso Nova Olaria tem projeto arquitetônico aprovado pela prefeitura de Porto Alegre

0

O projeto arquitetônico para o empreendimento do Complexo Multiuso Nova Olaria foi aprovado pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Urbanismo e Sustentabilidade (Smamus). O prédio com uma torre de 18 andares,  com 476 apartamentos e estúdios, rooftop, estacionamento, bicicletário  e um open mall estará localizado na rua General Lima e Silva, 736.

Conforme o secretário Germano Bremn a ideia é que o projeto contribua para a revitalização do local “O projeto revitalizará o Centro Comercial Nova Olaria, patrimônio histórico, artístico e cultural, devolvendo à cidade um conjunto urbanístico inventariado e classificado como o único representante da arquitetura pós-modernista em Porto Alegre”.

Segundo divulgação da prefeitura, “Em 2008, pela lei complementar 601, o Centro Comercial Nova Olaria foi incluído no Inventário de Patrimônio Cultural de Bens Imóveis de Porto Alegre e classificado como “a preservar”, dentro do Inventário do Patrimônio Cultural do Bairro Cidade Baixa”.

O CEO da Regional Sul da Cyrela, Rodrigo Putinato, está alinhado visando a revitalização do local. Em entrevista a Rádio Guaíba de maio deste ano ele disse:“O objetivo é dar início a um novo momento do Nova Olaria olhando para o futuro, mas sem perder de vista tudo o que faz parte do seu passado e a relação construída com cada frequentador. Vamos retomar a ideia inicial de um espaço estreitamente relacionado com o bairro e em diálogo com a cena contemporânea”

Agilidade no processo de aprovação de novos empreendimentos

O secretário ainda salientou quem a Smamuns vem trabalhando para agilizar o processo de aprovação de reformas e novos prédios na capital gaúcha “Estamos no processo de transição para o licenciamento 100% digital, que vai colocar Porto Alegre em outro patamar de gestão”, completa.

O empreendimento gerará cerca de mil vagas de emprego e a expectativa é de que a venda de todos os apartamentos gerem uma renda um Valor Geral de Vendas (VGV) de R$ 300 milhões.