Feriado de primeiro de maio é marcado por manifestações eleitorais de diversas origens, veja

0

O dia 1° de maio, feriado do dia do trabalhador, foi marcado por diversas manifestações ao longo do país. Os movimentos aconteceram tanto por apoiadores, quanto opositores ao atual governo Bolsonaro (PL).

Os atos pró-Bolsonaro defendiam a liberdade de expressão, principalmente após a condenação do deputado Daniel Silveira (PTB-RJ) pelo Supremo Tribunal Federal (STF), por atos antidemocráticos e ameaças à Corte.

Já a oposição, foi às ruas para discutir pautas trabalhistas e reivindicar o direito desses cidadãos. O objetivo das centrais sindicais, responsáveis pelos movimentos, era também dialogar sobre desenvolvimento, distribuição de renda e oferta de emprego. no país

Manifestações ao longo do país no dia 1° de maio

Pró-Bolsonaro

As manifestações ocorreram neste último domingo, 1° de maio, em todo o Brasil. No Rio de Janeiro e em São Paulo, contaram com a presença de diversas figuras políticas bolsonaristas e lulistas.

Em São Paulo e no Rio de Janeiro, além de reivindicarem a liberdade de opressão, houveram defesas de pautas inconstitucionais como a intervenção militar, pedidos de voto impresso e ataques ao Supremo Tribunal Federal.

Daniel Silveira (PTB-RJ), condenado pelo Supremo após defender o AI-5 e defender a de ministros do órgão, discursou em Niterói e Copacabana. 

Em discurso, declarou que sua prisão foi “inconstitucional”. Silveira agradeceu e demonstrou apoio ao presidente Jair Bolsonaro (PL), que concedeu a ele perdão posteriormente a sua condenação.

Em São Paulo, os deputados federais Carla Zambelli (PL-SP) e Coronel Tadeu (PL-SP) marcaram presença. Daniel Silveira também esteve no ato em terras paulistas.

O presidente compareceu a um ato em Brasília, porém, não discursou para evitar acirrar os ânimos entre os três poderes.

Pró-Lula

Em São Paulo, o ato da oposição ocorreu na Praça Charles Muller e contou com a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Fernando Haddad (PT) e Guilherme Boulos (PSOL) também marcaram presença.

Ao longo do país, as mobilizações contra o atual governo foram marcadas por faixas que diziam “Fora Bolsonaro” e “Lula Presidente”. Os protestos são principalmente contra as reformas trabalhistas e a atual inflação do país.